AMPHIBIAWEB
Dendropsophus minutus
Lesser Treefrog
family: Hylidae
subfamily: Hylinae

© 2011 Todd Pierson (1 of 35)

  hear call (288.4K MP3 file)
  hear call (1115.1K MP3 file)

 view video (1921.0K MPG file)
  hear Fonozoo call (#1)
  hear Fonozoo call (#2)
  hear Fonozoo call (#3)

[sound & video details here]

Conservation Status (definitions)
IUCN (Red List) Status Least Concern (LC)
CITES No CITES Listing
Other International Status None
National Status None
Regional Status None

 

View distribution map using BerkeleyMapper.

   

Source credit:
Guia de Sapos da Reserva Adolpho Ducke, Amazonia Central by Lima et al. 2005


INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia)
PPBio (Programa de Pesquisa em Biodiversidade)
PELD (Pesquisas Ecológicas de Longa Duração)

Authors: Albertina P. Lima, William E. Magnusson, Marcelo Menin, Luciana K. Erdtmann, Domingos J. Rodrigues, Claudia Keller, Walter Hödl

Distribuição na RFAD: Comum na borda da floresta, em áreas abertas ou clareiras grandes na reserva.

Distribuição geral: Toda a América do Sul, exceto a oeste dos Andes. Descrição: Machos 20-23 mm, fêmeas 24-26 mm. Os machos têm coloração dorsal marrom a amarelo-brilhante à noite e marrom-avermelhada durante o dia. Também, apresentam manchas dorsais grandes, de cor marrom com contorno amarelo-brilhante, em forma de ampulheta. Uma linha amarelo-creme ocorre perto do uróstilo. O ventre é branco na parte posterior e amarelo na parte anterior. As fêmeas têm dorso marrom-claro, sem manchas em forma de ampulheta, e o ventre creme a esbranquiçado. A íris é laranja-clara a escura em ambos sexos.

Espécie semelhante: Dendropsophus cf. brevifrons se diferencia pela presença de uma barra horizontal branca debaixo dos olhos, o dorso marrom, e as manchas sem forma de ampulheta.

História natural: Arborícolas e noturnos. São encontrados principalmente em margens de floresta e clareiras. Reproduzem- se principalmente na estação chuvosa, de novembro a maio. Os machos vocalizam sobre arbustos que pendem sobre poças. As fêmeas depositam cerca de 400 ovos, que ficam aderidos a plantas emergentes em poças, como uma massa globular. As larvas eclodem e caem dentro da água para completar o desenvolvimento. Os girinos ficam dispersos na coluna d’água.




Feedback or comments about this page.

 

Citation: AmphibiaWeb. 2017. <http://amphibiaweb.org> University of California, Berkeley, CA, USA. Accessed 17 Oct 2017.

AmphibiaWeb's policy on data use.