AMPHIBIAWEB
Hypsiboas boans
family: Hylidae
subfamily: Hylinae

© 2006 Dr. Stefan Gorzula (1 of 27)

 view video (1761.3K MPG file)
  hear Fonozoo call

[video details here]

Conservation Status (definitions)
IUCN (Red List) Status Least Concern (LC)
CITES No CITES Listing
Other International Status None
National Status None
Regional Status None

 

View distribution map using BerkeleyMapper.

   

Source credit:
Guia de Sapos da Reserva Adolpho Ducke, Amazonia Central by Lima et al. 2005


INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia)
PPBio (Programa de Pesquisa em Biodiversidade)
PELD (Pesquisas Ecológicas de Longa Duração)

Authors: Albertina P. Lima, William E. Magnusson, Marcelo Menin, Luciana K. Erdtmann, Domingos J. Rodrigues, Claudia Keller, Walter Hödl

Distribuição na RFAD: É comum perto de igarapés nas bordas da RFAD e ao longo dos igarapés Tinga, Ipiranga, Acará e Bolívia.

Distribuição geral: Bacia Amazônica no Brasil, Equador e Colômbia, leste do Panamá, Trinidad e Tobago.

Descrição: Machos 101-128 mm, fêmeas 91-123 mm. O dorso é marrom nos machos e marrom-alaranjado nas fêmeas. O ventre é creme a esbranquiçado em ambos os sexos. Faixas transversais mais escuras estão presentes na parte lateral do corpo e nas pernas. A membrana entre os dedos dianteiros é completa até o início das falanges terminais. A íris é marrom-alaranjada.

Espécies semelhantes: Osteocephalus taurinus tem tamanho e cor semelhante a Hyla boans, mas tem a íris radiada e dourada. Hyla lanciformis se distingue facilmente por ter uma faixa branca ao longo da boca, e as falanges terminais do primeiro, segundo e terceiro dedos são brancas. H. geographica se distingue por ter uma membrana azul na parte superior do olho e o abdômen alaranjado.

História natural: Arborícolas e noturnos. Reproduzem-se na estação seca, entre julho e dezembro. As desovas são constituídas por massas gelatinosas de aproximadamente 1300 a 3000 ovos e são depositadas como uma camada única na superfície da água em bacias de nidificação construídas pelos machos, ou em depressões naturais formadas na liteira ou raízes. As bacias naturais de nidificação têm conexões aquáticas a igarapés. Os machos lutam pela defesa dos locais de desova. Os girinos são marrom-claros a esbranquiçados, vivem em bancos de areia ou liteira dentro dos igarapés, e são impalatáveis para os peixes.




Feedback or comments about this page.

 

Citation: AmphibiaWeb. 2017. <http://amphibiaweb.org> University of California, Berkeley, CA, USA. Accessed 17 Oct 2017.

AmphibiaWeb's policy on data use.